Home Livros INVEJA CRIATIVA – O RESGATE DE UMA FORÇA TRANSFORMADORA DA CIVILIZAÇÃO

Introdução ao Estudo das Funções Estruturantes pela Psicologia Simbólica. São Paulo: W11 Editores, 2003, 144 pgs.

Resenha

Este livro defende a tese de que a inveja é uma função normal e muito importante para o desenvolvimento da Consciência do Indivíduo e da Cultura, e que se torna destrutiva somente quando desviada da sua função criativa.

O autor interpreta a causa de a inveja ter sido tão mal considerada através dos tempos à sua imensa capacidade criativa, contestadora e revolucionária. Segundo Byington, desqualificamos a inveja porque tememos o potencial criativo do nosso instinto principal, aquele instinto que Jung denominou o Instinto de Individuação, que nos fascina e impulsiona em direção a Deus ou à Totalidade, como se prefira dizer.

Uma visão distorcida pelo puritanismo interpreta o sofrimento humano como prova da nossa ruindade inata e justifica a repressão e a culpa que impedem admirar e amar a grandiosidade milagrosa da nossa criatividade.

O apego às conquistas do Ego é a maior causa de estagnação do desenvolvimento individual e social. Não é por acaso que o desapego tem a mesma importância que a compaixão no Budismo e no Cristianismo. Ao estimular o apego ao novo pelo desejo, pela cobiça e pela voracidade, a inveja estimula a busca do novo e atua como uma das principais fontes de desapego ao que já se tem.

Quem nega a inveja, nega o desejo e se condena à estagnação.

Partindo da relação entre a genialidade de Mozart e a insegurança criativa de Salieri, o autor volta à Gênese, ao pecado original do Cristianismo e à Psicanálise para demonstrar que a inveja tem sido desqualificada e reprimida na História da Humanidade pelo medo que temos da nossa pujança criativa. A inveja é irmã da ambição. Ambas lutam igualmente pelo desenvolvimento. A ambição promove o Ego e a inveja cobiça o que é do outro. A Consciência tradicional é maniqueísta e divide as funções psíquicas radicalmente em Bem e Mal, certo e errado, belo e feio. Com isso, a Consciência se torna unilateral, reprime o lado que julga mau e forma uma Sombra intensa no Inconsciente, que é projetada e ataca os outros. Essa é a História ternária e paranóide da Humanidade, na qual o Ego vê o Bem e o Mal nos Outros e não em si mesmo.

No âmago de sua obra, Byington descreveu o Arquétipo da Alteridade, um padrão quaternário da Consciência Individual e Coletiva, no qual o Ego percebe a polaridade Consciência-Sombra em si mesmo e no Outro. O Arquétipo da Alteridade é o paradigma do Amor, da Ecologia, da Criatividade, da Socialdemocracia e da Economia Sustentável, e permite ver todas as funções psíquicas, inclusive a inveja, atuando ora no Bem, ora no Mal, na Consciência e na Sombra do Indivíduo e da Cultura.

Carlos Amadeu Botelho Byington é médico-psiquiatra, educador e historiador. Fez sua pós-graduação no Instituto Jung na Suíça. Retornando ao Brasil, ampliou o conceito de arquétipo para englobar também a Consciência Individual e Coletiva. Criou a Psicologia Simbólica Junguiana e a Pedagogia Simbólica Junguiana.

Artigos similares
0 4667

2 respostas para este post

Deixe seu comentário

Preencha *